quarta-feira, 25 de junho de 2014

Saiba quais jogadores da Seleção Brasileira são cristãos e relembre outros famosos

Copa do Mundo: Saiba quais jogadores da Seleção Brasileira são cristãos e relembre outros famosos
A presença de cristãos nos elencos da Seleção Brasileira que disputam as copas do mundo é um fato corriqueiro desde 1958. Este ano, chama a atenção a dupla titular da zaga, formada por David Luiz e Thiago Silva.
No elenco, existem outros atletas que falam abertamente de sua fé, como Hernanes, Neymar, Fred, Bernard, por exemplo.
Porém, a mídia internacional tem dado destaque para os titulares da defesa do time de Luiz Felipe Scolari. Na próxima temporada européia, Thiago Silva e David Luiz formarão a dupla titular da zaga do Paris Saint Germain.
Aos 27 anos, David Luiz tem 38 jogos pela Seleção, além de uma carreira consolidada na Europa, onde atuou pelo Benfica, de Portugal, e Chelsea, da Inglaterra, onde sagrou-se campeão da Liga dos Campeões em 2012.
Na época de Benfica, o zagueiro chamava a atenção da mídia esportiva pelos adesivos que costumava colar em seus carros, com mensagens como “Cristo é Vida” e “Deus é a fé”, segundo informações do Christian Post.
Outro fato curioso sobre a fé de David Luiz foi transmitido pelas emissoras de TV que cobriam um jogo do Chelsea em 2011, quando impôs as mãos sobre a cabeça de seu colega de time Fernando Torres antes do início da partida, e orou por ele. Durante o jogo, o atacante espanhol marcou dois gols, derrubando uma sequência de jogos sem marcar.
Thiago Silva, 29 anos, 46 jogos pela Seleção Brasileira, e visto por muitos como o melhor zagueiro do planeta, é outro que não economiza em suas demonstrações de fé. Em 2005, quando foi contratado por um time russo, adoeceu e esteve perto de perder a vida em consequência de uma grave pneumonia.
Segundo entrevistas concedidas pelo jogador, os médicos que o trataram disseram que ele estava “morto” para o futebol pois não poderia voltar a atuar profissionalmente. “Deus me salvou”, disse o zagueiro, resumindo sua recuperação física.
Recentemente, durante a preparação para a Copa do Mundo, o capitão da Seleção Brasileira participou de um culto na companhia dos amigos, incluindo a cantora Bruna Karla, e publicou uma foto no Instagram com a legenda “Tarde abençoada”.

Seleções campeãs

Nos dois últimos títulos da Seleção Brasileira em copas do mundo os elencos também tinham atletas que faziam questão de identificarem-se como cristãos. Em 1994, Jorginho e Paulo Sérgio eram os referenciais dos Atletas de Cristo. Em 2002, Lúcio e Kaká exibiam mensagens de fé em camisetas após o fim das partidas.
No primeiro título do Brasil, em 1958, Pelé com apenas 17 anos foi protagonista do time. Criado em lar católico, demonstrou princípios cristãos quando fugia do assédio das fãs suecas que assistiam aos treinos da Seleção. Em 2008, o “rei do futebol” contou numa entrevista que desviava o olhar quando se deparava com torcedoras fazendo topless.

Veja o vídeo. Caio Fábio diz a Danilo Gentili que sofreu abuso sexual na infância e isso contribuiu para sua saúde

The Noite – Caio Fábio diz a Danilo Gentili que sofreu abuso sexual na infância e isso contribuiu para sua saúde; Assista
O reverendo Caio Fábio concedeu entrevista ao programa The Noite, apresentado por Danilo Gentili no SBT, e falou sobre diversos assuntos ligados ao meio evangélico, e novamente causou polêmica entre os fiéis.
“Foi para a liberdade que Cristo nos libertou e as igrejas ensinam escravidão”, disse Caio Fábio, sintetizando sua visão a respeito do tema.
De início, Danilo Gentili perguntou se existiam realmente casos de possessão demoníaca, fazendo menção à liturgia da Igreja Universal. O reverendo não poupou palavras para dizer que os exorcismos lá praticados são encenações: “Aquelas [possessões] ali se tiram com tapa na bunda… ‘Levanta, vamos acabar com a palhaçada’. Aquilo ali é sugestão, é psiquismo demoníaco aprendido com a cultura neopentecostal instilado nas pessoas. Aquilo ali, na maioria das vezes, é forjamento, tem até os possessos contratados para puxarem a fila dos impressionados”, disse.
“Porque só vemos milagre de araque?”, questionou Gentili. “Porque o pessoal só fica visitando milagre… Todo milagre industrial é de araque. É simples assim. Abriu uma porta e disse ‘milagre’ é mentira. Milagre é inusitado, misterioso”, respondeu Caio Fábio.
Na sequência, o reverendo fez questão de frisar que crê em milagres e narrou experiências vividas por ele, mas explicou que as práticas das igrejas pentecostais e neopentecostais são enganosas.
“Eu vi uma mulher derramando vermes pela vagina numa situação horrorosa em Manaus. É uma doença, [mas o milagre está em] você orar e o negócio parar na mesma hora. Não no dia seguinte ou duas horas depois, mas secar na hora. É chocante. Você ver pessoas em hospitais, como eu vi algumas vezes, desenganadas e morrendo, como meu amigo Zé Cury – que está vivo hoje, dono de uma pousada no Rio Grande do Norte – [estava] morrendo, desenganado, [com] septicemia – nós tínhamos sido malucos, tomadores de todo tipo de drogas, lutadores de jiu-jitsu juntos lá nos Gracie. Ele saiu um pouco da linha, perdeu a cabeça, a Polícia Federal encheu de sete tiros – mandou me chamar e disse ‘morro hoje à noite, encomenda a minha alma’, e eu falei ‘não, cara, você ainda vai viver pra caramba, não sei nem porque eu estou dizendo isso’. Botei a mão na cabeça dele e orei com toda sinceridade, simples, em nome de Jesus. O Zé Cury levantou na mesma noite. Isso faz 40 anos. Agora, [milagre] não é com hora marcada, não é ‘sexta-feira do milagre’, não tem preço nenhum a pagar, é tudo de graça, não tem rito. Só implica sinceridade, verdade, encontro humano puro diante de Deus”, resumiu Caio Fábio.
Ao longo da entrevista, Danilo Gentili e Caio Fábio dialogaram sobre questões ligadas ao Velho Testamento e suas aplicações práticas na atualidade, e chegaram à conclusão de que a narrativa do tempo da lei funciona como um prólogo para o Novo Testamento, mas já “caducou”. Nesse contexto, o apresentador questionou o reverendo sobre o dízimo, e a resposta de Caio Fábio foi pontual em afirmar que a contribuição forçada é errada.
“Eles me chamam de herege porque eu digo que essas coisas caducaram. Porque justamente se caducaram, o dízimo já era. E o dízimo ‘não pode’ [ser mexido]. É seletiva a escolha deles, quando o Novo Testamento não é seletivo, e diz em Romanos 10 ‘o fim da lei é Cristo pra justiça de todo aquele que crê’. Ponto, acabou, começou uma nova era eterna de consciência. Eles não querem porque tira deles os aparatos primitivos de controle do povo. O dízimo é um deles”, afirmou Fábio, antes de citar especificamente o caso da Igreja Universal: “Por que o Macedo está construindo aí esse ‘terreirão de Salomão’, essa coisa grandona, monstruosa? Porque ele quer, finalmente, oficializar a Universal como a captadora de recursos para o Templo de Deus, para que Malaquias 3 se torne encarnado na Universal  [...] Essa é a esperteza desse malandro”, disparou, referindo-se ao bispo Edir Macedo.
Sobre o tema “desigrejados”, nomenclatura criada a partir da constatação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no último Censo em 2010 de que existe atualmente no Brasil um grupo de evangélicos não praticantes, Caio rebateu as críticas feitas por líderes religiosos aos fiéis que deixaram de congregar e disse: “Igreja é impossível não haver, igrejas somos nós. Igreja é encontro. Eu me encontrei aqui contigo e esse é um encontro igreja”, simplificou Caio Fábio, que recusou a ideia de que o relacionamento com Deus possa ser delimitado por regras eclesiásticas: “Deus é loucura pura. Essa história de racionalizar Deus é uma idiotice na qual eu não caibo. A minha inteligência é grande demais para entrar em racionalismo a respeito de Deus. Deus é absurdo”.
Sobre as constantes polêmicas entre líderes evangélicos e ativistas gays, Caio Fábio disse que Jesus veria o movimento gay “do jeito que ele viu nos dias dele”, e trataria da mesma forma como os tratou antigamente.
“Tava cheio de gay, e o que ele fez? Nada. Tava cheio de puta. O que ele fez? Nada. Tava cheio de canalha, calhorda pra todo lado, e o que ele fez? Nada. Ele acolheu quem o procurou, não perguntou coisa nenhuma. Não estava na pauta de Jesus e nem está. Essa pauta aí é uma pauta moral, ideológica, uma pauta da fragilidade da religião que introjeta culpa nas pessoas e exacerba o maior movimento de compulsão psicológica justamente para aquilo que eles proíbem”, conceituou.
O reverendo criticou ainda a ênfase dada ao tema nas igrejas evangélicas: “Pegue uma estatística e vá ver proporcionalmente neste país, onde existe a maior eclosão de compulsão gay. Nada alcança o movimento evangélico. É uma viadagem só. Você fica dizendo ‘cuidado, se virar viado é do diabo. Se tiver um comichão no furicolingo é satanás’. Tudo é diabo. Você cria meninos dizendo cuidado com o diabo e até o teu sexo natural, a tua heterossexualidade é do diabo. Tudo é do diabo. A homossexualidade então é o diabo… Uma ‘bronha’ ta danado. É tudo culpa, tudo pecado. Conclusão: uma sociedade que só introjeta pecado, vai produzir só tarados. É simples como qualquer análise psicológica te diria”.
Criticando severamente a forma como as igrejas evangélicas abordam os problemas sociais, o reverendo foi taxativo ao dizer que atualmente quase não há contribuição para que o país se torne melhor: “Não tem jeito dos evangélicos melhorarem enquanto eles piorarem o mundo para todos. Eles vão ser sempre os piores do mundo que eles pioram para os outros”.
Danilo Gentili questionou o reverendo se ele havia feito sexo antes do casamento. A resposta deixou o apresentador boquiaberto: “Com cinco anos. Tinha uma babá do meu irmão que tinha 15 e resolveu me pegar. Me viciou. Nunca mais parei, até hoje”, disse Caio. Gentili insistiu no assunto e perguntou: “Você ta falando sério? Com cinco anos? Você tinha noção do que você tava fazendo com uma babá?”. A resposta foi simples e objetiva: “Fui tendo [noção]. Primeiro eu só tinha alegrias, uma coisa gostosinha, ficava ali e ela vinha – aquela moça grande eu pequeno -. Depois de um ano, eu dizia ‘tomara que papai e mamãe vão pro cinema de novo’, porque era só quando eles iam pro cinema à noite. Eles iam três vezes por semana, e eu ficava torcendo para eles irem todo dia”, narrou Caio Fábio.
“Depois que eu me converti, isso tudo virou passado. A gente está conversando aqui de tempos acerca dos quais eu não tenho nenhum problema com eles, porque tudo que fez parte da minha vida faz parte da minha saúde hoje”, explicou.

Repercussão

Os evangélicos que assistiam ao programa criticaram Caio Fábio de forma dura: “Caio Fabio foi abusado quando criança e fez apologia ao abuso que na verdade é caso de Pedofilia… Meu Deus onde estamos?”, escreveu a psicóloga Marisa Lobo no Twitter.

Sobre o conteúdo da entrevista, Marisa lamentou as palavras do reverendo: “Com todo respeito Caio Fábio, mas o senhor perdeu o juízo, que vergonha senti do senhor agora. Que Deus tenha piedade de sua alma ferida. Sabemos que existe gente podre em nosso meio Caio Fabio, mas o senhor não tem o direito de ofender nossa fé dessa maneira. Acaso o senhor é exemplo?”, questionou, antes de acrescentar: “Ele podia sim criticar os falsos profetas pois eles existem, mas não tinha o direito de generalizar”, protestou.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Extremistas islâmicos assassinam cristãos “de casa em casa” durante ataque a cidade do Quênia

Extremistas islâmicos assassinam cristãos “de casa em casa” durante ataque a cidade do Quênia
Na última semana uma série de ataques realizados por um grupo de extremistas islâmicos da Al Shabab, da Somália, resultou na morte de 48 cristãos na cidade costeira de Mpeketoni, no Quênia. Os extremistas causaram dois dias de terror na cidade, passando de casa em casa para assassinar as pessoas que não se enquadravam em padrões definidos por eles.
Armados, os extremistas foram de porta em porta questionando se as famílias que residiam em cada casa eram muçulmanas e falavam somali. Segundo o Padom, caso a resposta não agradasse os extremistas, eles abriam fogo imediatamente contra a família.
- Vieram em nossa casa em torno das 20h e nos perguntaram em swahili se éramos muçulmanos. Meu marido disse-lhes que éramos cristãos e eles atiraram na cabeça e no peito – relatou Anne Gathigi.
John Waweru, morador da cidade, conta que seus dois irmãos foram mortos pelos extremistas durante o ataque porque não falavam somali.
A maioria dos ataques aconteceu no domingo, e na segunda feira tropas quenianas e moradores da região puderam ver o rastro de destruição deixado pelos extremistas, com vários corpos estirados pelas estradas de terra e edifícios ainda em chamas, visto que dois hotéis e muitos veículos foram queimados durante o ataque.
A recente onda de violência no país destaca o aumento da violência extremista islâmica no país, que já foi considerado uma referencia em termos de estabilidade na África Oriental.
Segundo o ministro do Interior, José Ole Lenku, após os ataques os extremistas islâmicos fugiram para as florestas próximas após uma “troca feroz de tiros” com as forças de segurança. Lenku alertou ainda os políticos da oposição contra incitação à violência, afirmando acreditar que o ataque pode ter relações com a tensão política na região.
O Al-Shabab se manifestou sobre o ataque afirmando que o fez devido à “brutal opressão dos muçulmanos no Quênia.” O grupo disse que esses ataques continuarão “enquanto continuar a invasão da nossa terra para oprimir os muçulmanos inocentes”.
O ocorrido fez muitos se lembrarem de outro ataque realizado pelo grupo em um shopping center na capital do Quênia, Nairóbi, em setembro do ano passado. Na ocasião, pelo menos 67 pessoas foram mortas, algumas delas após não serem capazes de responder a perguntas sobre o Islã.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Conversão de índios no Oiapoque muda costumes da aldeia

Conversão de índios no Oiapoque muda costumes da aldeiaConversão de índios no Oiapoque muda costumes da aldeia
Em quase 50 anos a evangelização na aldeia Kumenê, que fica na reserva Uaçá, em Oiapoque (AP), extremo norte do país, mudou os costumes e tradicionais dos índios que ali vivem. São quase 2.000 pessoas, a maioria delas, segundo o cacique Azarias Ioio Iaparrá, 50 anos, já se declaram evangélico e frequentam a única igreja da aldeia, um templo da Assembleia de Deus.
Os índios da reserva são da etnia Palikuré e os primeiros missionários viajaram até eles (20 horas de viagem para chegar na aldeia navegando por três rios do Amapá) eram americanos que começaram a falar sobre Jesus e Salvação.
Até então, como relembra o pastor indígena Florêncio Felício, 55 anos, os índios entendiam que Deus era a natureza. “Os missionários explicaram pra gente que Jesus era o único salvador e que Deus fez o céu e a terra. Primeiro não acreditamos muito, mas depois começamos a aceita a palavra e fomos nos batizando nas águas”, disse que ele se converteu aos 25 anos de idade.
A AD onde os Palikuré realizam os cultos foi construída na década de 1990 e aos poucos a conversão dos índios tem mudado o comportamento dos índios e principalmente seus costumes, o que divide a opinião entre evangélicos e não evangélicos.
Uma das primeiras mudanças percebidas é a distância entre as casas. “Cada família tinha a própria aldeia, mas depois dos missionários passamos a viver mais próximos, como se fosse uma única família”, relatou o cacique.
Além disso, outras coisas mudaram: as pessoas não circulam mais nuas pela aldeia, as danças típicas acabaram, não tem mais feitiçaria de pajés e não há mais caxixi, bebida com teor alcoólico feita com mandioca fermentada e saliva.
O dialeto dos índios de Kumenê é o palikur, mesmo sabendo falar português eles continuam usando esta língua para se comunicar e realizam os cultos nesse dialeto.
As bandas que tocam na igreja, inclusive, cantam músicas em palikur. Um dos principais grupos de louvor se chama “Missão de Gideão” formado há 20 anos. Um dos membros da banda disse à Rede Amazônica, transmissora da Globo na região, que o sonho do grupo é gravar um CD.
“Missão de Gideão” tem mais de 100 músicas religiosas compostas na língua materna da aldeia, mas para gravar um CD é necessário ter muito dinheiro, não apenas para o trabalho de gravação, mas também para levar todos os integrantes da banda para Macapá em uma viagem que demora mais de 12 horas. Com informações G1

Pastor Silas Malafaia manifesta apoio à candidatura de Magno Malta à presidência da República: “É um gigante na defesa dos valores cristãos”


O pastor Silas Malafaia afirmou que apoiará Magno Malta à presidência da República se o senador conseguir convencer seu partido, o PR, a lançar candidatura própria.

As declarações de Malafaia foram feitas através do Twitter após divulgação do resultado de uma pesquisa do Datafolha que pela primeira vez mencionou o senador com intenções de voto. No levantamento, Malta aparece com 2% das intenções de voto, atrás de Dilma Rousseff (PT), com 34% dos votos; Aécio Neves (PSDB), com 19%; Eduardo Campos (PSB), com 7%; pastor Everaldo Pereira (PSC), com 4%; e à frente de José Maria (PSTU), Denise Abreu (PEN), Eduardo Jorge (PV), com 1%, cada.
O Datafolha realizou um levantamento específico no estado de São Paulo, e mostrou que Magno Malta teria 3% das intenções de voto dos paulistas. No mesmo cenário, a presidente Dilma Rousseff tem 23% e Aécio Neves, 20% das intenções de voto.
“Parabéns, é pra dar um RT: Senador Magno Malta pela 1ª vez sai na pesquisa para presidente e obtém 3% . Se conseguir a legenda eu apóio”, escreveu o pastor Silas Malafaia no Twitter. “Magno Malta tem sido um gigante no Senado em defesa dos valores cristãos. Se for candidato a presidente vou fazer campanha com maior prazer”, acrescentou.
Malta vem fazendo uma cruzada pelo país levantando a bandeira da redução da maioridade penal e tentando convencer seus colegas de partido a romperem com a base de apoio ao governo de Dilma Rousseff para lançar candidatura própria.
O senador Alfredo Nascimento, presidente do PR e ex-ministro dos Transportes no governo de Dilma Rousseff, disse que até o final de junho a legenda decidirá se permanece na base de apoio ao PT ou se lança candidatura própria. Caso a decisão seja pela segunda opção, o senador Magno Malta teria mais chances de ser escolhido o nome do partido para a disputa em outubro.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Pastor Marcos Feliciano critica o decreto da presidenta Dilma

Marco Feliciano critica decreto bolivariano de Dilma RousseffMarco Feliciano critica decreto bolivariano de Dilma Rousseff
O pastor e deputado federal Marco Feliciano, pré-candidato a reeleição, criticou nesta terça-feira (10), através de um artigo publicado em seu site, o decreto 8243 assinado pela presidente Dilma Rousseff, que prevê a criação da Política Nacional de Participação Popular.
A medida é um ataque à democracia representativa e institui a participação de movimentos sociais, militantes e ativistas ligados ao governo em todos os órgãos da administração pública.
O texto assinado por Dilma Rousseff prevê a criação de “conselhos populares” formados por integrantes de movimentos sociais que poderão opinar sobre os rumos de órgãos e entidades do governo federal.
“Por decreto estão tentando mudar nosso sistema representativo, onde Senadores e Deputados são a voz do povo”, critica Feliciano. “De surdina e de modo sorrateiro com longos e confusos artigos incisos esse decreto nos faz voltar no tempo da extinta União Soviética”, continuou o parlamentar.
Para Feliciano o decreto esconde um golpe contra a democracia e tem como objetivo perpetuar o governo do Partido dos Trabalhadores (PT). O pastor afirma que o projeto pretende institucionalizar a intromissão dos movimentos sociais em todos os órgãos públicos.
“Qual a finalidade desse decreto, uma só, institucionalizar a intromissão em todos os órgãos públicos dos movimentos sociais dominados desde sempre pelos partidos de esquerda”, escreveu.
No Congresso, dez partidos pressionam para que seja colocada em votação a urgência de um decreto legislativo para anular o texto presidencial. Pressionados por líderes de partidos, os presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), pediram pessoalmente à presidente que desista do decreto.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Afinal, somos todos levitas?


Introdução

Arão apresentará os levitas ao Senhor como oferta ritualmente movida da parte dos israelitas: eles serão dedicados ao trabalho do Senhor.  Números 8:11
Dessa maneira você separará os levitas do meio dos israelitas, e os levitas serão meus.
Depois que você purificar os levitas e os apresentar como oferta movida, eles entrarão na Tenda do Encontro para ministrar.
Eles são os israelitas que deverão ser inteiramente dedicados a mim. Eu os separei para serem meus em lugar dos primogênitos, do primeiro filho homem de cada mulher israelita.
Números 8:14-16
Dentre todos os israelitas, dediquei os levitas como dádivas a Arão e aos seus filhos; eles ministrarão na Tenda do Encontro em nome dos israelitas e farão propiciação por eles, para que nenhuma praga atinja os israelitas quando se aproximarem do santuário".
Números 8:19
Existe uma mentalidade em nossas igrejas não de hoje, no Brasil, mas que já vem de alguns anos, de que pessoas que são chamadas para trabalhar com ministério de música são “levitas”. E por conta disso e da atual explosão da música gospel nas mídias e nos cultos, não é difícil encontrarmos estudos bíblicos para levitas, encontro de levitas, enfim, visando suprir as necessidades dessa classe que dizemos existir. Neste artigo, iremos ver quem eram os levitas, e porque essa nomenclatura não se aplica aos ministros de louvor dos dias hoje.

Quem eram os levitas e quais eram as suas responsabilidades?

Os levitas eram uma tribo dentre as 12 do povo de Israel, descendentes de Levi, filho de Israel (Jacó). E como os versículos acima mostram, Deus ordenou a Moisés, que inclusive era levita (Números 26:59), para separar toda essa tribo para servir ao Senhor no tabernáculo. 

Isso significava que os levitas seriam os músicos do tabernáculo? NÃO! Você pode se perguntar, “Mas quem eram os músicos do tabernáculo?” Ninguém, é a resposta. No tabernáculo de Moisés, se você ler os relatos do Pentateuco e dos livros históricos, você vai descobrir que não tinha música envolvida nas cerimônias religiosas que ocorriam no tabernáculo de Moisés. A música com certeza era utilizada pras festividades e em momentos marcantes da vida do povo de Israel, mas não nas solenidades sagradas. 

A música só começa a fazer parte do momento de “culto” no tabernáculo de Davi, quando este separa algumas famílias da tribo de Levi e os coloca como músicos, para ministrarem com música diante da Arca do Senhor. (1 Crônicas 16:4) 

Então, o que os levitas faziam? Eles desmontavam todo o aparato que envolvia o tabernáculo quando a nuvem se movia, durante a peregrinação no deserto, e montavam tudo de novo, quando a nuvem estacionava. Você já pensou em quanto sangue era derramado no altar? Os levitas é que higienizavam tudo, limpando, mantendo tudo em ordem. Eram eles que carregavam os utensílios do tabernáculo pelo deserto. 

Sim, depois que Davi os designou, algumas famílias de Levi atuavam como músicos, ministrando ao Senhor diante da arca. Portanto, já vemos que seria incorreto dizer que os levitas são os que são chamados para a área da música na igreja. Se queremos ser bíblicos, deveríamos chamar de levitas a equipe de limpeza e também os porteiros e diáconos. Mas não é somente essa questão que precisa ser analisada quando falamos da existência de uma classe levítica na igreja.

A levitização dos músicos

Em 2012, a Rede Globo promoveu um Festival de música gospel, transmitido em rede nacional, intitulado “Festival Promessas”. Muito se debateu sobre a validade de tal iniciativa, e não é meu intuito discutir isso aqui neste artigo. Estou trazendo à tona este assunto, pois ao entrar no site do Festival, me deparei com o slogan: “Só os levitas podem carregar a arca”, baseado no versículo 1 Crônicas 15:2. Parece uma frase bíblica e inofensiva, mas o que estamos dizendo com ela? 

Que existe uma classe de pessoas chamadas por Deus na igreja, atualmente, denominadas “levitas”, que são os responsáveis por “carregar a arca”, ou seja, ministrar, levar, carregar a presença de Deus para as outras pessoas. E quem não é levita, consequentemente, não pode carregar essa “arca” ou essa manifestação da presença de Deus. 

No versículo anteriormente referido, Davi havia estabelecido seu reino em Jerusalém e queria trazer a arca de volta para o centro da vida de Israel. Só que Davi se esquece que existia uma ordenança do próprio Deus que a arca tinha argolas para que varais pudessem ser colocados, para que os levitas carregassem a arca nos ombros. O rei coloca a arca em carros de bois, e essa falta de cuidado com os detalhes do transporte da arca se revela um verdadeiro desastre, culminando com a morte de Uzá. 

E aí pegamos este contexto que acabei de explicar e criamos uma separação entre “levitas” e “não-levitas” e conclui-se, então, que os não levitas não podem carregar a presença de Deus na igreja neo-testamentária. Mas o que o Novo Testamento tem a dizer sobre isso?

A imperfeição do ministério levítico

O livro de Hebreus trata muito profundamente sobre a questão do ministério levítico. Aconselho que você, leitor, após terminar a leitura deste artigo, leia os capítulos 7, 8, 9 e 10 de Hebreus. Vejamos alguns pontos importantes que são tratados pra nossa discussão: 

“Se fosse possível alcançar a perfeição por meio do sacerdócio levítico ( pois em sua vigência o povo recebeu a lei ), por que haveria ainda necessidade de se levantar outro sacerdote...?” (Hebreus 7:11) 

Veja bem, o autor do livro de Hebreus constata que o ministério levítico não conseguiu trazer a perfeição para ninguém e por isso ele precisou ser substituído. Mas qual foi essa substituição? 

Jesus, através da Sua morte na cruz, se coloca num papel duplo: como sacerdote e como sacrifício, e se torna Sacerdote para sempre. Veja o que diz a carta aos Hebreus: “Ora, daqueles sacerdotes tem havido muitos, porque a morte os impede de continuar em seu ofício; mas, visto que vive para sempre, Jesus tem um sacerdócio permanente. Portanto ele é capaz de salvar definitivamente aqueles que, por meio dele, aproximam-se de Deus, pois vive sempre para interceder por eles. (Hebreus 7:23-25)

Sabemos que Jesus não era levita, pois ele era descendente de Davi e Davi era da família de Judá. Então, se Jesus não se tornou sacerdote pelo sacerdócio levítico, a qual ordem Ele pertence? 

A Ordem de Melquisedeque

O autor da epístola nos responde dizendo que Jesus é sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque. (Hebreus 6:20). Quem era esse Melquisedeque? 

Lemos em Gênesis 14 que Abraão retornava de uma guerra quando Melquisedeque chega para visitá-lo e Abraão ofereceu os dízimos dos despojos da guerra a ele. Quem era essa pessoa? Ele só é apresentado como Rei de Salém (futuramente Jerusalém), rei de paz, e também sacerdote do Deus altíssimo. 

Veja algo interessante. Esse Melquisedeque (sem linhagem, sem genealogia, sem apresentação prévia, como diz Hebreus 7:3) era rei e também sacerdote. Não encontramos alguém ocupando essas duas funções em nenhum outro lugar das Escrituras. Ou se era rei ou se era sacerdote. Melquisedeque ocupa essas duas funções. 

O autor de Hebreus é tão perspicaz e inspirado pelo Espírito em sua explanação que ele diz que só se dava dízimo a quem se considerava como superior. Se Abraão, o grande patriarca de Israel e consequentemente de Levi, deu dízimo a Melquisedeque, era porque ele considerava o rei de Salém superior a si mesmo. Portanto, na pessoa de Abraão, Levi já era declarado menor que Melquisedeque. 

Cristo também ocupa essas duas funções: Rei dos Reis e Sumo Sacerdote para sempre, por isso Ele é sacerdote não por Levi, mas pela ordem de Melquisedeque.

O Sacerdócio de Todos os Santos

Qual é a implicação prática disso tudo para nós? Cristo inaugurou uma Nova Aliança, um novo tratado, uma nova forma de nos aproximarmos de Deus. “Chamando "nova" esta aliança, ele tornou antiquada a primeira; e o que se torna antiquado e envelhecido, está a ponto de desaparecer.” (Hebreus 8:13)

A Nova Aliança tornou a Antiga Aliança obsoleta. Não estou dizendo que ela se tornou sem valor, mas sim que precisamos reavaliar os preceitos da Antiga Aliança pelos “óculos” da Nova. 

Nesta Nova Aliança, o apóstolo Pedro diz que em Cristo, nós, Seu povo, somos “geração eleita e SACERDÓCIO REAL, nação santa, povo exclusivo de Deus. (1 Pedro 2:9) Veja, em Cristo nós também somos feitos reis e sacerdotes, ou seja, também não pertencemos a linhagem de Levi , mesmo porque, de forma geral, nem mesmo somos judeus, e o sacerdócio de Levi era transmitido pela descendência humana, genética. Já a linhagem de Melquisedeque é espiritual, e aí sim, podemos ser feitos sacerdotes segundo esta ordem.
 
Quem faz parte desta linhagem? Só os músicos, ou seja, cantores, instrumentistas? NÃO! Todo nascido de novo, TODA a Igreja é feita sacerdote na linhagem de Melquisedeque. Ou seja, não temos uma classe escolhida, ungida, separada de “levitas” que faz com que a igreja se sinta “plateia” em um culto, enquanto os “levitas” são os ministros. 

Não podemos criar essa mentalidade em nossas igrejas! Isso é anti-bíblico e extremamente nocivo para nossos cultos comunitários e para nossa vida cristã diária. Quando a igreja se reúne, temos alguns que estão ali liderando, mas toda a igreja se reúne, espiritualmente, diante do trono do Cordeiro e se apresenta como sacerdotes, e todos podem se achegar diante da presença d´Ele. 

Achegando ao trono da graça

Na Nova Aliança, não são só os levitas que podem carregar a “arca”. Na Nova Aliança, cada nascido de novo se torna “arca” e também sacerdote, ou seja, tem livre acesso a presença de Deus. Então, em nossos cultos, os membros da igreja não são plateia! Só existe uma plateia em nosso culto: o próprio Deus! Nós todos temos a responsabilidade de ministrar à presença de Deus. 

Portanto, ao dizer que somos “levitas” nos colocamos como intermediários entre o povo e Deus, que é exatamente o que faziam os filhos de Levi. Isso é uma afronta ao sacrifício de Cristo na cruz que rasgou o véu, para que todos os nascidos de novo tivessem livre acesso ao Pai. (Hebreus 10:19-20) 

Algumas vezes agimos com boas intenções, mas acabamos “recosturando o véu que a cruz já rasgou”, como diz João Alexandre, em sua “É Proibido Pensar”. Irmãos, o que precisamos ensinar é que TODOS os nascidos de novo podem se achegar diretamente a Deus, sem intermediários. 

Quantos pastores querem “fidelizar” “suas” ovelhas, e por isso não trazem ensinamento, por medo de perder rebanho! Quantos ministros de louvor se sentem “importantes” quando ocupam essa posição de intermediários e tem medo de perder seu status ao ensinar que as pessoas tem igual acesso ao trono da graça! Isso precisa cair por terra. A verdade é que nos liberta pra vivermos a vida de Deus pra nós.

Conclusão

Temos muitos princípios interessantes sobre os levitas que podem ser aplicados a nossa vida de forma bem interessante, mas a aplicação do sacerdócio levítico aos crentes da Nova Aliança é um ensinamento extremamente nocivo a médio e longo prazo, como expus neste estudo.

Como ministros, precisamos ter um embasamento teológico de qualidade para não levarmos as pessoas de nossa congregação a uma posição de engano. Precisamos, sim, conscientizar as pessoas da realidade da Nova Aliança e de como elas podem se aproximar por elas mesmas de Deus, sem precisar de intermediários.


Renato Marinoni é fundador e diretor do IACA - Instituto de Adoração, Cultura e Arte - juntamente com sua esposa, Andressa Marinoni. Autor do livro “Mergulhando na Adoração”, com mais de 4 mil exemplares vendidos, Renato é formado em Louvor e Adoração pelo CTMDT, tendo trabalhado como professor nessa mesma instituição por 6 anos. É teólogo e atualmente mestrando em Teologia Sistemática pelo Centro de Pós-Gradução Andrew Jumper (Mackenzie – SP). Andressa e Renato são ministros de adoração da Igreja Batista Nações Unidas, sob a liderança do Pr. Luiz Sayão. www.iacabrasil.com


sexta-feira, 6 de junho de 2014

Veja vídeo. Grupos rivais lutam com espadas e deixam seis feridos em templo na Índia



Discípulos Sikhs brandindo espadas e entoando gritos por uma nova pátria entraram em confronto com guardas no santuário mais sagrado da Índia, informou Kiran Jyoti Kaurum, funcionário do local nesta sexta-feira (6). Seis pessoas ficaram feridas.
O confronto ocorreu durante cerimônia que marca aniversário de ataques ao santuário Templo Dourado pelo exército indiano, em junho de 1984. O local fica na cidade de Amritsar.
Segundo Kaur, apoiadores do Shiromani Akali Dal, liderada por Simranjeet Singh Mann, iniciaram os atos violentos e, em seguida, foram expulsos pelos guardas do templo. Eles gritavam por uma pátria independente Sikh. O canal de televisão CNN-IBN informou que foram detidas cerca de 50 pessoas e que muitas lojas haviam fechado por causa da tensão.
A operação do exército indiano de 1984 para estabelecer controle sobre o santuário, ordenada pela então primeira-ministra indiana Indira Gandhi, foi um dos episódios mais controversos no campo de batalha da Índia contra os separatistas sikh na década de 1980.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

profecias alertam que intermediação do papa para acordo de paz entre judeus e palestinos é um dos sinais que antecedem a Grande Tribulação

Especialista: profecias alertam que intermediação do papa para acordo de paz entre judeus e palestinos é um dos sinais que antecedem a Grande Tribulação; Confira
Papa Francisco no Muro das Lamentações, em Jerusalém
O mundo cristão e a sociedade como um todo tem visto a atuação do papa Francisco à frente da Igreja Católica como inovadora, devido à sua forma de se expressar e as ideias que tem expressado. No entanto, há quem veja a situação num contexto mais amplo, de uma perspectiva diferente.
Recentemente, Francisco visitou Jerusalém e discutiu um acordo de paz entre judeus e palestinos, que há tempos vivem em guerra por territórios. O pontífice foi recebido por lideranças de ambos os povos, e em seus discursos, pediu um esforço pela paz.
Conversamos com o especialista Luiz Carlos Fernandes sobre o assunto, e exploramos a possibilidade de as profecias bíblicas alertarem sobre o surgimento de um líder carismático que atraísse a atenção dos fiéis e também das autoridades, com discursos aparentemente pacíficos. Confira:
Os principais meios de comunicação mundiais, assim como os governos e até mesmo a grande maioria dos líderes protestantes, tem reverenciando o papa Francisco como a maior liderança mundial de todos os tempos, biblicamente falando, qual a sua opinião sobre a gestão do papa Francisco?
Unicamente pela Palavra de Deus, é possível levantarmos “as cortinas” e contemplarmos os bastidores dos reais interesses do papado (veja aqui um vídeo falando sobre isso). Todos os fiéis estudantes das Escrituras concordarão que nunca houve um tempo de tão grande urgência no estudo das profecias como agora. Não podemos fechar os olhos às mudanças políticas e religiosas nesses últimos anos. O Império capitalista americano mundial, completamente nas mãos do papado, pouco a pouco está se transformando em um novo sistema econômico: o fascismo!
O controle financeiro mundial a cada dia tem sido centralizado nas mãos de poucas pessoas…. Presidentes, reis, rainhas e primeiros ministros atuam simplesmente como marionetes do Vaticano; eles não pensam e não decidem por si mesmos! Esse poder controlador está por detrás das cenas de maneira ávida buscando o domínio mundial! O poder pelo qual exercem sua atividades foi recebido diretamente pelo “Dragão” que o entregou ao papado, a profecia é claro e límpida como a água pura de uma fonte: “E adoraram o dragão porque deu a sua autoridade à besta; também adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem pode pelejar contra ela?” [Apocalipse 13.4].
Na próxima quarta dia 04 de Junho às 20h darei uma palestra GRATUITA ao VIVO pela internet com o tema: “O Falso Acordo de Paz e a Grande Tribulação, também estou escrevendo um livro chamado: “O Abominável da Desolação na Terra Gloriosa“. Para receber seu exemplar escreva para o e-mail spiritualgroup@hotmail.comNosso intenção é levar esclarecimento à todas as pessoas, portanto esse livro não será vendido por nenhum valor específico, bastando apenas uma doação de qualquer valor e será enviado para todos que nos escreverem assim que estiver pronto. 
Não está sendo um pouco duro em suas colocações, afinal o papa Francisco aparentemente tem feito coisas boas, como por exemplo buscar a paz no Oriente Médio?
Como coloquei anteriormente, apenas pela Palavra de Deus os fiéis poderão discernir a verdade por detrás dos fatos. Quanto a busca pela paz no Oriente Médio, em Daniel 11 a partir do versículo 29 em diante, Deus nos ergue profeticamente o “véu” e nos revela a realidade da guerra final entre as forças do bem e do mal. Essa pequena faixa de terra, a palestina, tem sido o maior foco da história do homem, situada como está, nas rotas que cruzavam o Oriente, as lutas pela supremacia na história mundial, quase, invariavelmente, envolvem a posse da Palestina, quem dominasse aquela área estratégica, teria condições de dominar o Oriente e o mundo. Encontramos desta maneira, os seguintes poderes revezando-se naquela região: Babilônia em 586 a.C., Pérsia em 539 a.C., Grécia em 331 a.C., Egito em 323 a.C., Selêucidas em 175 a.C., Roma em 63 a.C., Maometanos em 634 d.C., que construíram a Cúpula da Rocha, conhecida também como Mesquita de Omar em 693 d.C., as forças papais (os cruzados em 1099), os maometanos novamente (1187), Império Otomano (1517) e por último ficou sob o controle da Grã-Bretanha (1917). É importante lembrar que Londres, Inglaterra, é a sede mundial dos agentes jesuítas, os Rothschilds! De 1922 ate 1948 a Liga das Nações confiou a administração de Jerusalém às autoridades “inglesas”, isto é, aos Rothschilds (assista ao vídeo), e de acordo com a resolução da Organização das Nações Unidas (27/11/1947) foi criado o Estado de Israel em 1948.
Desde sua formação a Ordem dos Jesuítas fundada em 1540 estabeleceram como meta dominar Jerusalém e colocá-la sob o domínio papal e isso está bem diante dos nossos olhos para acontecer. Considere que estranhamente o Vaticano desde a fundação de Israel em 1948, jamais reconheceu a criação do Estado Judeu, justamente para que, em todo o mundo, ninguém desconfiasse que a criação do Estado de Israel foi uma trama da conexão Jesuíta-Rothschilds. Apenas em 1993, o Papa João Paulo II, depois de 45 anos, reconheceu oficialmente a Nação de Israel. Muito em breve, os falsos judeus Rothschilds, que na verdade são judeus asquenazis kazharianos (para conhecer sua história, assista a essa série de vídeos), entregarão Israel para o controle final do papado.
Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo há mais de 2.000 anos atrás profetizou sobre esse engano: “Eu vim em nome de meu Pai, e não me recebeis; se outro vier em seu próprio nome, certamente, o recebereis” [João 5.43].
Após o Estado Palestino ser criado (como Estado poderá constituir suas forças armadas), receberá o aporte financeiro das nações árabes, pois os árabes maometanos sonham com o momento em que poderão esmagar o Estado de Israel, sendo assim, as relações entre os israelitas e os palestinos se provará insustentável e com isso finalmente o mundo precisará de um “mediador pacífico e imparcial”… E quem será chamado para intermediar? Logicamente o papa!
 “E (o papado, o Rei do Norte) armará a tendas do seu palácio (seu governo) entre o grande mar (o mar mediterrâneo) e o monte santo e glorioso (o monte do templo); mas virá ao seu fim (a destruição do anticristo), e não haverá quem o socorra” [Daniel 11.45].
A profecia acima está falando claramente sobre a presença papal em Jerusalém! E como isso acontecerá? Logo o futuro nos mostrará! Cristãos e judeus e pasmem, muitas lideranças muçulmanas estão tratando e se reunindo para a reconstrução do Templo de Jerusalém, que será reconstruído ao lado da Mesquita de Omar no Monte Santo. Supostos “levitas” estão sendo treinados para os serviços do futuro templo e a “novilha vermelha” de Números 19 cujo nome é “Guella”, está sendo cuidadosamente alimentada e protegida por uma família cristã do Texas, na esperança de que ela usada na unção do novo sacerdócio. Será um templo para todos os povos, ou, seja um templo ecumênico onde o papa oficiará a missa católica com a participação de outros líderes religiosos não cristãos e evangélicos protestantes!
Mas a profecia afirma acima que quem fará isso será o “Rei do Norte”, como vincular essa figura ao papado?
Novamente apenas a Bíblia pode nos responder sobre quem é o “Rei do Norte” apontado nas profecias. Em Isaías 14, as Escrituras revelam que, há milhares de anos atrás, um “ser” tentou usurpar o Trono Supremo do Universo onde Deus se assenta e que fica na EXTREMIDADE do NORTE. Esse foi Lúcifer, a suposta “estrela da manhã” (apenas Cristo é a verdadeira e brilhante Estrela da Manhã – Apocalipse 16.14), ele almejou ser Deus e se sentar acima das “estrelas de Deus” (seus anjos): “Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao altíssimo.” [Isaías 14.12-14]
Se no próprio céu tivemos um arqui-usurpador, não é de se admirar que aqui na terra ele não tivesse um “representante” e esse é aquele que contraria as palavras expressas de Cristo quando diz: “A ninguém sobre a terra chameis de pai; porque só um é vosso Pai, aquele que está nos céus.” [Mateus 23.9]
Como todos sabem o título “papa” significa pai, ou “o pai supremo”, portanto uma blasfêmia sem tamanho que, até mesmo uma criança consegue identificar. Logicamente não é de se admirar que esse usurpador tenha o título: “vigário de Cristo”, que significa “substituto de Cristo”, ou seja o arqui-usurpador Satanás de Isaías 14, aqui em Daniel 11 está “emprestando” seu falso título de “Rei do Norte” para o seu representante maior na terra: “o papa”.
A profecia revela em Daniel 11 que, após Israel entregar paulatinamente todos os locais santos de Jerusalém para o controle do papado como mostram as reportagens, onde os próprios judeus protestam contra esses planos secretos, veja aqui, inclusive  o maior patrimônio do povo judeu, o túmulo do Rei David também está sendo passado para as mãos do Vaticano, entre muitos outros: assista a esse vídeo e veja essa reportagem.
Diz a profecia que o “Rei do Norte” (o papado) entraria na “Terra Gloriosa” para preparar caminho para uma paz aparente entre judeus e palestinos intermediando em ambos os lados e nos bastidores um “Acordo de Paz” que na verdade é uma CONCORDATA e que o grande público e os próprios israelenses desconhecem. Será a construção do 3º Templo Judeu em troca da soberania e formação do Estado Palestino na ONU. Esse falso acordo de paz em um primeiro momento trará uma paz aparente, porém é líquido e certo que, irá gerar um conflito de proporções épicas, proporcionando ao papado a hegemonia e o caminho livre para não só intermediar esse impasse, mas principalmente governar diretamente de Jerusalém que finalmente será considerada território internacional e será a capital ecumênica mundial e política do papado.
Realmente diante dos fatos e da própria Bíblia, parece ser algo que está se materializando diante dos nossos olhos, então o papa apoiará a causa palestina diante de todo o mundo?
O cardeal jesuíta Bergoglio (Bento enquanto viver é o verdadeiro papa, já que o cargo é vitalício), o atual “paladino da justiça e dos pobres”, usará de toda a sua influência para preparar o caminho na ONU para a formação do Estado Palestino e isto será considerado um “milagre papal”: unir judeus e palestinos! Afinal o que poderia ter mais relevância mundial do que unir os descendentes dos filhos de Abraão (Isaque e Ismael) que representam as duas famílias que se odeiam na face da terra?
Isso será algo único, emblemático, será a grande celebração da união da “família humana” e para comemorar esse “grande feito” nada melhor do que instituir um dia católico pagão de adoração, o “Dia do Sol” (domingo em inglês é sunday) em lugar do Shabat em pleno Israel, vejo aqui nesse vídeo  como isso já está acontecendo… Porém, essa paz e segurança durará apenas em um primeiro momento: “Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão.”  [1 Tessalonicenses 5.3]
Jerusalém está sendo preparada para receber o trono do anticristo! O domínio de Jerusalém não ficará nem com Israel nem com os Palestinos e sim com o papa! O próprio anticristo estabelecerá o seu trono em Jerusalém, será na verdade um cumprimento diabólico e falso da profecia em Jeremias 3.17 que revela que um dia, o verdadeiro trono que estará ali será o Trono de Cristo!
“Naquele tempo, chamarão a Jerusalém de Trono do Senhor; nela se reunirão todas as nações em nome do Senhor…”  [Jeremias 3.17]
Em meio a essa crise terrível que se encontra diante de nós, você teria uma mensagem de esperança para nos dar?
Com certeza, em meio a tudo isso, um grupo especial de pessoas está se formando… São 144.000 pessoas espalhadas pela terra, sua igreja espiritual, esses sim são os “verdadeiros judeus” que espelharão perfeitamente o caráter de Cristo sobre a terra: “Porque não é judeu quem o é apenas exteriormente, nem é circuncisão a que é somente na carne. Porém judeu é aquele que o é interiormente, e circuncisão, a que é do coração, no espírito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens, mas de Deus. [Romanos 2.28-29]
“Dessarte, não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. E, se sois de Cristo, também sois descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa.” [Gálatas 3.28]
A profecia em Daniel 11.44 revela que os rumores do oriente espantarão o papado: “Mas, pelos rumores do Oriente e do Norte, será perturbado e sairá com grande furor, para destruir e exterminar a muitos”.
Logo no início do versículo a conjunção “mas” faz toda a diferença e indica o “momento da virada”. Esses rumores do Oriente representarão a mensagem poderosa do alto clamor pelos fiéis que foram selados e batizados no Espírito de Cristo e proclamarão as boas novas da chegada do Verdadeiro Rei do Norte; o Norte é o lugar da habitação de Deus e de lá que vem o nosso Redentor, algo assustador interromperá a marcha triunfal do papado; há um grupo de oposição que pela chuva serôdia do Espírito Santo fará tremer o papado, e (o papado) sairá com grande furor, para destruir o extirpar a muitos. [Daniel 11:44].
Nessa perseguição que antecede o fechamento da porta da graça ainda existirão mártires. A palavra “mas” é muito importante nesse contexto. Chama a atenção exatamente para o momento em que o papado percebe que existe um grupo de oposição mais forte que ele! São destemidos, corajosos, ousados e falam abertamente contra o anticristo e o sinal da besta; pregam poderosamente sobre o Selo do Deus Vivo e a salvação em Jesus!
Quando tudo parece estar indo bem para o papado, surgem os “rumores do Oriente e do Norte”! Aí o falso rei do norte tremerá nas suas bases, saberá que se aproxima o Redentor de toda a Terra! Aliás, não parece estranho que o rei do Norte trema com os “rumores do Oriente e do Norte”? Ora, se ele fosse o verdadeiro rei do Norte, não deveria tremer diante dos rumores que vem do Norte! E esse será o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, aleluias!