terça-feira, 29 de abril de 2014

Crucificações de cristãos por jihadistas na Síria




Cristãos que se recusaram a professar a fé muçulmana ou pagar resgate foram crucificados por jihadistas nesta sexta-feira na Síria, denunciou uma freira síria à Rádio Vaticano.

De acordo com a irmã Raghid, ex-diretora da escola do patriarcado grego-católico de Damasco, e que agora vive na França, "em cidades ou vilas ocupadas por elementos armados, os jihadistas e todos os grupos extremistas muçulmanos oferecem aos cristãos a shahada (a fé muçulmana) ou a morte. Em alguns casos pediram resgate".

"Por ser impossível renunciar à sua fé, sofreram o martírio. E o martírio de uma maneira extremamente desumana, de extrema violência. Em Maalula, por exemplo, crucificaram dois jovens porque eles recusaram a shahada".

"Em outra ocasião, um jovem foi crucificado em frente a seu pai, que foi morto em seguida. Isso aconteceu em Abra, na zona industrial na periferia de Damasco", relatou.

De acordo com ela, depois dos massacres, os jihadistas "pegaram as cabeças das vítimas e jogaram futebol com elas", e ainda levaram os bebês das mulheres e "os penduraram em árvores com os seus cordões umbilicais".

A Rádio Vaticano publicou esta entrevista nesta Sexta-feira Santa, dia que a Igreja lembra a crucificação de Cristo em Jerusalém.

Enquanto a guerra civil cria espaço para massacres cometidos por todas as partes, a minoria cristã se posciona a favor do regime de Bashar al-Assad , temendo justamente os islâmicos.



Como a Síria não tem petróleo… O mundo não faz nada.

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Estudante evangélica é barrada em escola pública por usar saia

Estudante evangélica é barrada em escola pública por usar saia
Uma aluna do curso de Educação Para Jovens e Adultos (EJA) da escola estadual Euclides da Cunha, no Rio de Janeiro, foi proibida pela direção da instituição de frequentar as aulas usando saia. A diarista Ana Cristina Silva Torres, de 37 anos, foi barrada na entrada da escola porque deveria seguir o padrão da escola, com uniforme que é composto por calça, camisa e tênis.
Segundo informações do jornal O Globo, Ana disse que seu hábito de usar saia é uma mescla das doutrinas de sua igreja com sua preferência: “Sou evangélica e a saia é a vestimenta que eu costumo utilizar no meu dia a dia. Não é nem que a religião me obrigue a só usar saia, mas é como eu me sinto bem. A direção da escola foi trocada e o novo diretor disse para mim que não podia abrir mão do uniforme, e que iria cortar o meu nome da lista de alunos matriculados no colégio. E ele nem quis conversar, ouvir meus argumentos. Foi uma situação que me deixou muito magoada”, relatou a aluna.
Há seis anos, Ana Cristina era analfabeta, e decidiu começar a estudar para acompanhar os estudos das filhas. Depois de alfabetizada, tomou gosto pelos estudos e decidiu cursar o supletivo do Ensino Fundamental, e agora, está tentando o diploma do Ensino Médio.
“Essa decisão me pegou de surpresa. [O diretor] falar que iria cortar meu nome da lista [de matriculados] foi um golpe num sonho que eu tenho desde criança, de conseguir me formar. Os meus pais não me deixaram estudar. Hoje, é um objetivo não só meu, como também das minhas filhas. É como se tivessem jogado um balde de água fria na gente”, lamentou a diarista.
A Secretaria de Educação emitiu nota afirmando que “todas as escolas, [das redes] pública ou privada, têm que possuir regras, como o uso do uniforme, para garantir a segurança de toda a comunidade escolar. Os direitos e deveres são para todos, independentemente da religião que professem”, e acrescentou que “caso o diretor abra exceção, terá que liberar para todos, acabando com o uso do uniforme”. A nota ressalta ainda que a única pessoa que se recusou a usar o uniforme no padrão exigido foi a diarista Ana Cristina.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

O verdadeiro significado da Páscoa

Páscoa é um evento religioso judaico/cristão, normalmente considerado pelas igrejas cristãs como a maior e a mais importante celebração. Na Páscoa os cristãos relembram e anunciam a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação que teria ocorrido durante a celebração da Páscoa dos judeus, em Jerusalém, entre o ano 30 e 33 da Era Comum. 




Origem do nome

Os eventos da Páscoa teriam ocorrido primeiramente durante o Pessach (Passagem em Hebraico), data em que os judeus comemoram o êxodo, libertação e fuga de seu povo escravizado no Egito, liderados por Moisés, para a Terra Prometida.
A palavra Páscoa advém exatamente do termo Pessach, em hebraico, da festa judaica. Os espanhóis chamam a festa de Pascua, os italianos de Pasqua e os franceses de Pâques. O sentido de “passagem” vem do julgamento de Deus sobre Faraó e os egípcios, que oprimiam e escravizavam o povo judeu, até que Deus anuncia a Moisés que libertará o seu povo da escravidão.
Segundo a Bíblia (Livro do Êxodo), Deus mandou 10 pragas sobre o Egito. Na última delas (Êxodo capítulo 12), disse o Senhor a Moisés que todos os primogênitos egípcios seriam exterminados (com a passagem do anjo da morte por sobre suas casas), mas os primogênitos de Israel seriam poupados. Para isso, o povo de Israel deveria sacrificar um cordeiro, passar o sangue do cordeiro imolado sobre as portas de suas casas, e o anjo passaria por elas sem ferir seus primogênitos. Todos os demais primogênitos do Egito foram mortos, do filho do Faraó aos filhos dos prisioneiros. Isso causou intenso clamor e tristeza entre o povo egípcio, que culminou com a decisão do Faraó de libertar o povo de Israel, dando início ao Êxodo de Israel para a Terra Prometida.
A Bíblia judaica e cristã institui a celebração do Pessach em Êxodo 12.14: "Conservareis a memória daquele dia, celebrando-o como uma festa em honra ao Senhor: Fareis isto de geração em geração, pois é uma instituição perpétua".


Páscoa Cristã

A Páscoa cristã celebra a morte sacrificial e a ressurreição de Jesus Cristo. Nos Evangelhos, Jesus é anunciado como o "cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo", deste modo, toda a simbologia da Páscoa judaica aponta para Jesus que, através de sua morte e seu sangue, liberta o homem do poder da morte e do pecado.
A última ceia partilhada por Jesus Cristo e seus discípulos é narrada nos Evangelhos e é considerada, geralmente, um “sêder do pessach” – a refeição ritual que acompanha a festividade judaica – se nos ativermos à cronologia proposta pelos Evangelhos sinópticos. O Evangelho de João propõe uma cronologia mais acurada, ao situar a morte de Cristo por altura da hecatombe (do grego antigo ἑκατόμβη, composto de ἑκατόν "cem" e βοῦς "boi" - sacrifício coletivo de muitas vítimas) dos cordeiros do Pessach. Assim, a última ceia teria ocorrido um pouco antes desta mesma festividade.
Depois de morrer na cruz, o corpo de Jesus foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu por três dias, até sua ressurreição. É o dia santo mais importante para os cristãos.




Genizah

terça-feira, 15 de abril de 2014

Técnico do Ituano agradece a Deus pelo Título Paulista de 2014!

SBT veta opiniões de Rachel Sheherazade em telejornal

SBT veta opiniões de Rachel Sheherazade em telejornalSBT veta opiniões de Rachel Sheherazade em telejornal
Depois de 15 dias longe da bancada do SBT Brasil, a jornalista Rachel Sheherazade voltou a ocupar o posto de âncora, mas sem tecer comentários.
Proibir a jornalista de emitir opinião foi a decisão tomada pela direção do SBT para evitar novos conflitos. Agora as opiniões expressadas no jornal não serão mais de responsabilidade dos apresentadores, mas sim textos editoriais que serão de responsabilidade do canal, mas lidos pelos jornalistas.
A mudança foi anunciada pela empresa de Silvio Santos nesta segunda-feira (14) através de um comunicado oficial: “Em razão do atual cenário criado recentemente em torno de nossa apresentadora Rachel Sheherazade, o SBT decidiu que os comentários em seus telejornais serão feitos unicamente pelo Jornalismo da emissora em forma de Editorial. Essa medida tem como objetivo preservar nossos apresentadores Rachel Sheherazade e Joseval Peixoto, que continuam no comando do SBT Brasil”.
Sheherazade tem sido criticada por conta de um comentário que ela teceu sobre os “justiceiros” do Rio de Janeiro que amarraram um menor infrator nu em um poste. A jornalista disse que entendia a sede de justiça da população que foi abandonada pelo Estado.
As palavras de Rachel Sheherazade foram interpretadas de diversas formas e alguns deputados iniciaram na Câmara um pedido para negar a verba de publicidade do governo para a emissora, dizendo que a apresentadora do SBT Brasil estava fazendo apologia ao crime.

Rio terá espaço oficial para religiões afro-brasileiras

Rio terá espaço oficial para religiões afro-brasileirasRio terá espaço oficial para religiões afro-brasileiras
Na última quinta-feira (10) a Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), do Rio de Janeiro, realizou uma audiência pública na Assembleia Legislativa para tratar sobre a criação de um espaço para oferendas de umbandistas e candomblecistas.
O projeto chamado de “macumbódromo” ficará dentro do Parque Nacional da Tijuca para evitar poluir a floresta e provocar incêndios.
O secretário Carlos Portinho conversou com os representantes de diversos grupos religiosos para garantir o andamento do projeto mesmo sem poder definir uma data para a inauguração.
A audiência foi convocada pelo deputado Carlos Minc (PT) que ouviu do antigo secretário da SEA, Índio da Costa, que o projeto seria paralisado a pedido de dois deputados evangélicos.

“O Índio me disse que iria suspender o projeto porque dois deputados evangélicos de seu partido não entendiam como dinheiro público podia ser usado para fazer um ‘macumbódromo’”, disse Minc.
O secretário Portinho deixou claro que não cancelará o projeto de manejo no parque, pois ele está há 14 anos parado. “Foi criada uma polêmica como se fôssemos cancelar o projeto, mas isso não aconteceu. Qualquer projeto de viés ambiental, seja de que grupo for, é de interesse da secretaria”, garante.
O espaço, que pode ser chamado de “Decálogo das Oferendas e os Espaços Sagrados” tem como objetivo enfrentar a intolerância religiosa e também conservar a Mata Atlântica. O projeto prevê o destino de uma área de 10.000 m² e estruturas ao redor das árvores e margens dos rios para que os rituais não poluam a área, além de coletores de resíduos religiosos. Com informações Estadão

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Rachel Scheherazade diz que PSOL e PCdoB fizeram “pressão” para silenciá-la: “Chantagearam o SBT”

Rachel Scheherazade diz que PSOL e PCdoB fizeram “pressão” para silenciá-la: “Chantagearam o SBT”
A jornalista Rachel Scheherazade continua rebatendo as críticas feitas a ela por conta de sua postura firme na defesa de seu direito a dizer o que pensa na bancada do telejornal SBT Brasil.Conhecida por seus comentários de personalidade forte, Rachel negou que tenha sido afastada de suas funções e diz estar sendo perseguida por ter dito que compreendia o desespero dos cidadãos que tentam fazer justiça com as próprias mãos em situações que o Estado está ausente.
Numa entrevista à Folha de S. Paulo, Rachel afirmou que partidos de esquerda estão pressionando a emissora através dos meios políticos para que ela não volte a opinar no telejornal.
“Há uma pressão política muito forte para que eu seja calada. PSOL e PCdoB entraram com representações contra meu direito de opinião e tentam cercear minha liberdade de expressão, chantageando a emissora onde trabalho”, disse a jornalista, que é evangélica.
Segundo Rachel, “é clara a tentativa de censura por meio de intimidação”. A jornalista cita o exemplo da deputada Jandira Feghali (PCdoB), que chegou solicitar o corte de verbas publicitárias para o SBT, “e até a pedir a perda de concessão da emissora”.Scheherazade conclui dizendo que é incompreensível que políticos, que dependem da democracia, queiram cercear direitos individuais: “Não é possível que, em plena democracia, a mordaça prevaleça sobre a liberda.de de expressão”

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Ministério Público proíbe prefeitura de contratar shows gospel com base em artigo da Constituição Federal

Ministério Público proíbe prefeitura de contratar shows gospel com base em artigo da Constituição Federal
A polêmica sobre shows gospel realizados por prefeituras ganhou um novo capítulo esta semana, por conta de uma ação do Ministério Público estadual do Rio de Janeiro, que recomendou à prefeitura fluminense de Comendador Levy Gasparian que não contrate mais artistas gospel para eventos na cidade.
O MP baseou sua recomendação no artigo 19 da Constituição Federal, que veta ao Estado a realização de cultos religiosos. De acordo com o G1, uma troca de e-mails entre o prefeito da cidade, Cláudio Manarino (PMDB) e o cantor Irmão Lázaro, motivaram a ação.
No documento, Lázaro afirma que fica satisfeito quando vê uma prefeitura contratar um show gospel: “Eu louvo a Deus quando o poder público investe no povo de Deus”. Na resposta, o prefeito concorda com o cantor e diz: “Sempre que eu puder agradecer a Deus através de um show evangélico, eu vou fazer”.
Como o Estado brasileiro é laico, não possui religião oficial, e não pode interferir nas religiões, que são livres. Para o MP, o diálogo entre o cantor e o prefeito caracterizou uso de dinheiro público para a realização de culto, prática proibida pela Constituição Federal.
No entanto, Manarino nega que a contratação do show tenha sido motivada por questões religiosas, e afirmou que a escolha foi feita para agradar ao público: “As grandes exposições sempre estão iniciando com shows evangélicos ou show gospel e aqui não seria diferente. Uma forma de você agradar à população de uma forma geral. Não vi culto, não sou pastor, o Lázaro também não é pastor, não vi nenhum preciosismo naquilo que a gente estava combinando”, disse o prefeito.
“Eu acho que houve uma atenção exagerada nesse assunto quando existem outros assuntos que poderiam receber mais atenção e atuação, naturalmente, no Ministério Público”, disse Manarino, que disse que irá seguir a recomendação.
A prefeitura de Comendador Levy Gasparian informou que já tinha programado um show gospel para este ano, e agora irá analisar o que será feito.

Líderes cristãos apontam os “piores erros” teológicos do filme Noé e criticam: “Ensina o que jamais a Bíblia ensinou”

Líderes cristãos apontam os “piores erros” teológicos do filme Noé e criticam: “Ensina o que jamais a Bíblia ensinou”
O filme Noé, criticado por muitos cristãos por conta das diferenças entre a narrativa bíblica e o que é apresentado no longa-metragem dirigido por Darren Aronosfky, despertou a ira de líderes cristãos. Listas de erros teológicos existentes no filme foram feitas pelo pastor Renato Vargens e pelo escritor J. Lee Grady.
Nos pontos elencados por ambos, as críticas ao filme abrangem questões diretas, como diferenças entre a história constante da Bíblia, e questões indiretas, como a impressão que o filme deixa sobre os personagens por conta da forma como a história é narrada.
O próprio diretor do filme reconheceu que o longa-mentragem é “o filme bíblico menos bíblico de todos os tempos”, e o estúdio que o produziu se viu obrigado a emitir alertas de que o filme continha diversas diferenças em relação à Bíblia.
Vargens afirma que não recomenda o filme porque ele “fundamenta-se em lendas, ficções e interpretações equivocadas de quem foi Noé”, e dentro desse ponto de vista, “a história de Nóe narrada pelas Escrituras se contrapõe em muito ao filme hollywoodiano”.
O escritor J. Lee Grady afirma que “Noé não estava distante de Deus”, ao contrário do filme, que o apresenta como uma “alma torturada que sente através de um sonho que o misterioso ‘Criador’ (Ele nunca é chamado de Deus) planeja destruir o mundo com uma inundação”.
Grady aponta que “na versão fantasiosa de Aronofsky, apenas um dos filhos de Noé, Sem, tem uma mulher (interpretada por Emma Watson) e ela acaba grávida de gêmeas que, supomos, irão eventualmente se tornarem mulheres para os outros dois filhos de Noé”. O escritor ressalta que na versão bíblica, “os filhos de Noé não estavam sem esposas na arca”, citando a passagem de Gênesis 6:18: “Você entrará na arca com seus filhos, sua mulher e as mulheres de seus filhos”.
O pastor Renato Vargens critica o filme por apresentar Deus como um ser “desprovido de amor, bondade e misericórdia”, e Noé como alguém “obcecado, violento e insensível”. O líder da Igreja Cristã da Aliança frisa ainda que “o filme  apresenta um péssimo conceito de Deus, onde o Criador não fala, ama ou se relaciona com Noé. Na verdade o filme retrata um deus vingativo, impessoal e cheio de ódio [...] e induz  os expectadores  ao erro por ensinar aquilo que jamais a Bíblia ensinou”.
Já Grady aponta uma das liberdades poéticas do diretor como um dos piores erros cometidos no filme. O escritor diz que “Noé não obteve ajuda de criaturas gigantes de pedra quando construiu a arca”, e afirma que Darren Aronofsky “pegou emprestado esse conceito estranho de antigos místicos judeus que sugeriram que os anjos de Deus expulsos do céu após a criação caíram e foram aprisionados em rochas, caminhando pela Terra em busca de oportunidades para ajudar os seres humanos”.
O escritor J. Lee Grady encerra a lista de defeitos do filme dizendo que, na Bíblia, “os descendentes de Noé não tratam a pele da serpente do Éden como uma relíquia de família”, e revela que o diretor do filme baseou-se em “escritos gnósticos de séculos atrás”, quando “judeus ensinaram que o Deus do Gênesis era realmente um perdedor e que Satanás era um deus melhor. A implicação sutil é que Noé precisava de ajuda de Satanás, não de Deus”.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

"Vai construir igreja assim no inferno, falou o Prefeito Eduardo Paes ao Pastor Silas Malafaia

Vai fazer igreja assim no inferno, diz Eduardo Paes a Silas MalafaiaVai fazer igreja assim no inferno, diz Eduardo Paes a Silas Malafaia
O pastor Silas Malafaia recebeu diversos políticos no culto de inauguração da nova sede da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC). Entre eles o prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB) que teve a oportunidade de falar diante dos milhares de fiéis que participaram do culto no último sábado (5).
Ao tentar elogiar o templo, que tem capacidade de receber 6 mil fiéis e ficou pronto em apenas 19 meses, o prefeito se confundiu e disse: “Vai fazer igreja assim no inferno”.
A gafe chegou a ser noticiada pelo jornalista Lauro Jardim, da Veja, que considerou a palavra “inferno” nada adequada para falar diante de evangélicos.
Apesar da frase, Eduardo Paes conseguiu conquistar os fiéis ao anunciar a inauguração de uma estação de ônibus BRT do bairro da Penha com o nome ‘Pastor José Santos’, antigo pastor presidente da ADVEC, quando ela ainda se chamava Assembleia de Deus da Penha.
“A Assembleia de Deus da Penha, hoje Assembleia de Deus Vitória em Cristo, foi uma igreja que sempre colaborou com o progresso dessa comunidade e semeou paz diante da força do mal do poder paralelo. Como reconhecimento desse trabalho social e de transformação na vida das pessoas, a prefeitura do Rio de Janeiro vai inaugurar a estação de ônibus BRT do bairro da Penha com o nome ‘Pastor José Santos’, em homenagem a esse homem que fez história nessa cidade”, divulgou o peemedebista.
Segundo o site Verdade Gospel, além do prefeito, Malafaia recebeu também os deputados federais Eduardo Cunha, Arolde de Oliveira, Felipe Pereira, Jair Bolsonaro; o senador Lidbergh Farias, o vereador Alexandre Isquierdo, o deputado estadual Samuel Malafaia e o governador do Rio Luiz Fernando Pezão.
Nova ADVEC
A inauguração da nova sede da ADVEC atraiu 8.000 pessoas ao bairro da Penha, zona norte do Rio, mas 2.000 tiveram que assistir ao culto do lado de fora, por conta do limite excedido.
Ao contrário do que foi divulgado, quem se apresentou no culto não foi o cantor Nani Azevedo, mas sim as cantoras Jozyanne e Eyshila que celebraram a Deus com canções de louvor e adoração.



terça-feira, 8 de abril de 2014

Denúncia: doleiros usam igrejas de fachadas para lavar dinheiro

Denúncia: doleiros usam igrejas de fachadas para lavar dinheiroDenúncia: doleiros usam igrejas de fachadas para lavar dinheiro
O desembargador federal Fausto Martin de Sanctis denunciou o aumento de igrejas-fantasmas que estão sendo usadas para lavar dinheiro e sonegar impostos. Especializado no combate a crimes financeiros, Sanctis afirma que o uso de templos de fachada é cada vez maior no Brasil por conta da imunidade tributária que os templos religiosos recebem.
“É impossível auditar as doações dos fiéis. E isso é ideal para quem precisa camuflar o aumento de sua renda, escapar da tributação e lavar dinheiro do crime organizado. É grave”, disse ele em entrevista ao jornal Valor.
O procurador da República em São Paulo, Silvio Luís Martins de Oliveira, acredita que é preciso fiscalizar as atividades financeiras das igrejas para evitar que esses crimes continuem acontecendo.
Oliveira investigou e denunciou a Igreja Universal do Reino de Deus por lavagem de dinheiro, evasão de divisas, formação de quadrilha e estelionato. Em sua opinião a instituição religiosa que começa a se tornar uma empresa, tendo bens como, por exemplo, empresas de telecomunicações, precisam perder o tratamento fiscal diferenciado.
A denúncia feita contra as igrejas de fachadas é que muitas estão sendo usadas para lavar dinheiro trocando por dólares.  “Costuma ser um doleiro de confiança que busca ajuda de casas de câmbio, pois a quantidade de cédulas é enorme. É o que chamam de ‘dinheiro sofrido’, porque o fiel costuma pagar o dízimo com notas amassadas”, disse o procurador.
Projeto para tirar a imunidade tributária das igrejas
O tema é polêmico e já houve projetos na Câmara dos Deputados com a intenção de tirar a imunidade tributária das igrejas e templos religiosos.
O deputado Marcos Rogério Brito (PDT-RO) chegou a apresentar um Projeto de Lei Complementar (PLP) com este objetivo, mas para poder retirar essa imunidade de  templos de qualquer culto, partidos políticos, sindicatos e de instituições educacionais e de assistência social sem fins lucrativos é preciso modificar a Constituição Federal.
Os deputados da Frente Parlamentar Evangélica são contra o fim da isenção fiscal. O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) chegou a comentar o tema para o jornal Valor dizendo que o tratamento fiscal diferenciado atua em defesa da liberdade religiosa.
“Se partirmos do pressuposto que uma entidade não deve ter tratamento especial pela possibilidade de malfeitores se aproveitarem, por analogia o mesmo princípio se aplicaria às Santas Casas e Universidades mantidas por Fundações sem fins lucrativos”, disse ele.
Feliciano também comentou as tentativas de se fiscalizar as atividades financeiras da igrejas, principalmente as evangélicas.  “Essa citada falta de fiscalização é questão de ponto de vista. Se o legislador após longo debate na Assembleia Nacional Constituinte isentou as instituições religiosas de impostos, nada mais fez do que atender aos anseios da maior parte da sociedade”, afirmou.

Lua de Sangue será visível no céu na próxima semana

Lua de Sangue será visível no céu na próxima semanaLua de Sangue será visível no céu na próxima semana
Na próxima semana será possível ver o eclipse lunar conhecido como “lua de sangue”, este ano o fenômeno vai acontecer quatro vezes até o mês de setembro.
A informação da NASA sobre o eclipse desta terça-feira (8) quando Marte, Terra e Lua se alinham, ganhou destaque por anteceder as “luas de sangue”.
As luas de sangue são interpretadas por religiosos de todo o mundo como sinais do fim dos tempos, já que no livro de Joel o fenômeno é citado como um precedente para “o terrível dia do Senhor” (Joel 2:31).
As quatro luas de sangue já foram vistas por três vezes em mais de 500 anos: Em 1493, durante a Idade Média, quando os judeus foram expulsos pela Inquisição Católica na Espanha; em 1949, quando o Estado de Israel foi estabelecido na Palestina e 1967 durante a Guerra dos Seus Dias entre Árabes e Israelenses.
Já o fenômeno chamado como “oposição de Marte” acontece uma vez a cada 778 dias, sua aparição será hoje no período da noite. Já a primeira lua de sangue estará visível no céu no dia 15 de abril e a última no dia 28 de setembro. Com informações Terra.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Pastores se enfrentam em luta de MMA

Pastores se enfrentam em luta de MMAPastores se enfrentam em luta de MMA
Dois pastores trocando socos e chutes em um octógono de MMA é uma maneira moderna de se pregar o evangelho? O documentário “Igreja da Luta”, que será lançado dia 24 de abril no Festival de Cinema Independente de Boston tenta responder isso.
Escrito e dirigido por Daniel Junge e Bryan Storkel, o filme mostra pastores e evangélicos que praticam MMA (sigla em inglês para “artes marciais mistas”). O roteiro mostra a vida do pastor Paul Burress, que defende suas “técnicas de evangelização”. “Não lutamos por maldade. Não temos ódio nem amargura em nosso coração”, explicou à ABC News. Burress lidera atualmente a Igreja da Trindade, em Rochester, Nova York.
“Nós conseguimos alcançar uma enorme quantidade de pessoas que nunca entrariam em um culto de nossa igreja, mas eles vêm fazer treinamento de fitness ou lutar jiu-jitsu e ouvem a Palavra”, justifica Burress, que faz estudo bíblicos no local de treinamentos.
“Caras durões também precisam de Jesus”, afirma um membros de sua igreja mostrado pelo documentário. O mesmo parecem pensar alguns lutadores famosos do circuito UFC que dão seu testemunho no documentário. Jon Jones, atual campeão dos meio-pesados, é solene ao decretar “Eu provavelmente não onde estou hoje se não fosse cristão”.
O tema é polêmico, sem dúvida, e a principal questão levantada é que Jesus pregava a não-violência e também a oferecer a outra face. Pelo menos entre os pastores do MMA isso só vale fora do octógono.
“Nosso objetivo é apresentar esses personagens incrivelmente provocantes em busca de seus objetivos. Vamos pedir que o público chegue às suas próprias conclusões sobre as possível conexão entre religião e violência, bem como explorar a fama crescente de MMA nos EUA e discutir o impacto do cristianismo em nossa sociedade pós-moderna”, explicou o diretor Junge.
Storkeel acrescenta: “Ele sabe que alguns cristãos pensam que o MMA é do diabo. Mesmo assim, o diretor enfatiza que não se trata de uma questão tratada abertamente pela maioria das igrejas. “Acho que muitas vezes os cristãos tendem a fugir de coisas como esta e não falar sobre elas. Gosto de ver as pessoas que vivem a sua fé de maneiras não-tradicionais”.
Mas os americanos não estão sozinhos no uso dessa estratégia, a Igreja Renascer já trouxe a prática para o Brasil e atrai milhares de pessoas na competição Ultimate Reborn Fight (URF)Com informações ABC News e Christian Headlines.